BIM: Você está ficando para trás se não souber o que é e como utilizá-lo
Novo conceito de trabalho já é realidade nos mercados de Engenharia, Arquitetura e Construção

A cada dia que passa, novas ferramentas e metodologias são implementadas no setor de engenharia e arquitetura para otimizar projetos o máximo possível. A indústria 4.0, também conhecida por Quarta Revolução Industrial, trouxe ainda mais modificações. Trata-se da continuação do desenvolvimento tecnológico, elevando a automação à máxima potência. Inteligência artificial, data science, big data, tudo isso passa a integrar o cotidiano e a se entrelaçar com a nossa vida.


As inovações transformam não somente o processo de planejamento e execução de obras, mas o mercado: profissionais precisam estar alinhados com essas mudanças e preparados para aplicá-las e utilizá-las. Logo, muitas delas não serão mais diferenciais, mas sim essenciais para qualquer organização da área. 


É o caso do BIM (Building Information Modeling), ou Modelagem de Informação da Construção, plataforma utilizada pela indústria AEC (Arquitetura, Engenharia e Construção) quando se trata de projetos para construções. Pense no seguinte cenário: com o advento das impressoras, hoje seria quase impossível que um datilógrafo conseguisse um emprego, certo? O mesmo vai acontecer em breve com engenheiros e arquitetos que não souberem utilizar o BIM. 


Tamanha importância desta ferramenta, desde o dia 22 de agosto de 2019, está em vigor o Decreto 9983, que tem como objetivo a disseminação do BIM no Brasil, criando um ambiente adequado ao seu uso e incentivando sua aplicação nos mais diferentes projetos. Para contratação de projetos e obras feitas pelo Governo Federal, todos os processos construtivos já devem estar na plataforma BIM.


Mais do que um recurso, trata-se de uma transformação completa na forma com que projetos são feitos. Se você ainda não conhece essa ferramenta e nem seus benefícios, entenda de uma vez por todas porque o BIM é o conhecimento do futuro: 

 

Inovação


Já sabemos que uma obra tem diversas etapas que se conectam e interligam. Desde a concepção, construção e operação, são mobilizadas uma variedade extensa de materiais, serviços e demais recursos. As medidas de um pilar, o peso por metro quadrado de uma parede ou o custo dos materiais utilizados, por exemplo, englobam o processo de modelagem da informação, o BIM.


Mas por que isso é inovador? 


BIM compreende que todos os processos se associam, e permite que os dados de cada etapa da obra sejam acrescentados e considerados. Assim, é possível fazer a  compatibilização das áreas que compõem os projetos, que podem ser analisadas no decorrer do trabalho. Os profissionais conseguem identificar interferências entre essas áreas, analisar e propor uma solução. Isso permite que o gestor tenha uma visão antecipada de algum problema que venha a acontecer durante a obra e evita atrasos e dificuldades no andamento dos processos, já que é comum que a equipe perceba algumas incompatibilidades nos projetos já na etapa de execução. 


A modelagem com o conceito BIM trabalha com modelos que simulam a construção, diferente do modelo 2D, uma representação plana do que será construída. Uma das grandes vantagens da ferramenta é que todas as informações estão interligadas de forma lógica no computador. As características físicas da construção são representadas na sua geometria, e as demais informações funcionais são agregadas a essa edificação.


Ou seja, se fizermos alguma alteração em uma parede, por exemplo, essa mudança é refletida também no restante do projeto, modificando o corte, o custo e tempo de execução da parede também. Dessa forma, a tomada de decisão se torna muito mais simples e atividades que antes eram manuais, podem ser automatizadas, poupando tempo. 


Essa modelagem de informações íntegra todos os agentes e disciplinas envolvidas no desenvolvimento de um projeto, como arquitetos, engenheiros e construtores, em todas as suas fases. Por isso, o BIM é muito mais amplo que uma visualização 3D ou um software, e pode ser definido como um novo conceito de trabalho cuja essencialidade cresce cada vez mais, transformando-o em um conhecimento primordial para o profissional no mercado atual de trabalho. 


Demandas do profissional que atua em BIM


O profissional especializado em BIM precisa atender algumas demandas, e deve estar preparado para cumpri-las.  São elas:


  • Otimização de tempo: o profissional precisa ser capaz de organizar, interpretar e lidar com as diferentes informações que integram um projeto em todo seu ciclo de vida.  Isso permite que o tempo gasto em cada etapa da obra seja otimizado, desde seu planejamento até a execução. 

  • Eficiência: esta ferramenta possibilita a antecipação de problemas, simulação de execuções e alterações automatizadas conforme a necessidade. Todos estes recursos visam garantir a eficiência do projeto, e por isso, é importante que o profissional seja capaz de aproveitar todos os recursos e melhorar o desempenho. 

Desafios do BIM


Mesmo com tantos benefícios, o BIM ainda representa alguns desafios que vão desde a necessidade de capacitação até a adaptação ao novo fluxo de trabalho:


1. Conhecimento multidisciplinar x especialidade


Um dos maiores benefícios do BIM é a integração da equipe e dos processos desenvolvidos por ela. Por isso, o profissional atuante enfrenta um desafio: adquirir conhecimento multidisciplinar, mas também ser especialista na área que domina. Ou seja, ele deve conhecer o projeto de uma forma geral, ciente de todas as etapas que o envolvem, mas também deve dominar e praticar com eficiência a área em que atua. Um profissional que está à frente da área de projetos, por exemplo, deve conhecer o processo de obras no geral e ter conhecimentos que envolvem a execução, mas deve ser expert em projetos. 



2. Investimento em estrutura



Além do BIM, é crucial que a equipe tenha o equipamento necessário, com softwares e computadores de alto desempenho. O profissional deve ter o conhecimento prático para operar essas tecnologias. 




3. Mundanças no workflow


Com esta ferramenta, o fluxo de trabalho muda completamente. As etapas se associam e isso exige que a equipe esteja mais alinhada, para evitar atrasos, desentendimentos e, consequentemente, dificuldades no fluxo das atividades. O profissional precisa estar em consonância com o restante do time, atuando em conjunto. 


Onde Trabalhar com BIM? 


O profissional especializado em BIM pode trabalhar em todas as etapas que envolvem projetos. Pode atuar como projetista, coordenador de equipe de projetos, orçamento e planejamento, e até mesmo na execução da obra. 

Alguns exemplos de áreas de atuação beneficiadas pelo BIM são: 


  • Arquitetura e design de construção;

  • Engenharia civil e estrutural;

  • Energia;

  • Engenharia rodoviária;

  • Paisagem e levantamento de terras;

  • Engenharia de transporte ferroviário e metropolitano;

  • Planejamento urbano e design inteligente da cidade.


Oportunidades


Com tantos benefícios comprovados, as empresas têm apresentado uma grande procura por profissionais capacitados a trabalhar com o BIM, principalmente Arquitetura e Engenharia Civil. O setor de construção está repleto de oportunidades,. Na Joby você encontra um guia completo sobre o mercado de Engenharia Civil e pode conferir algumas áreas em que o profissional qualificado para uso do BIM já é primordial.


Bim Manager


Um dos campos mais promissores é o de BIM manager, ou seja, gerente de BIM. É este profissional que tem conhecimentos e habilidades para compreender todo o potencial e os processos do BIM para projetar, planejar, executar e gerir uma obra. É uma peça-chave no uso da ferramenta, que deve ter capacidade de entender a interdisciplinaridade dos projetos e coordenar as etapas, modificações e implementações necessárias. 


Com a disseminação do uso do BIM, este profissional será cada vez mais requisitado, já que as empresas vão precisar de alguém familiarizado com a tecnologia para orientar e conduzir a equipe no processo de capacitação e utilização. Mais do que saber operar, o BIM management deverá ser capaz de acompanhar e conduzir o projeto em todo seu ciclo de vida. 

 

Competências


Um novo conceito em trabalho exige profissionais também alinhados com as expectativas que o futuro do mercado impõe. Por isso, o profissional que deseja se especializar e atuar com o BIM, precisa buscar desenvolver alguns atributos que serão essenciais tanto para o aprendizado, quanto para a aplicação do BIM no dia a dia de trabalho. 


Saiba quais são essas competências: 


1. Gestão de pessoas


O BIM integra não somente as etapas de um projeto mas os profissionais envolvidos em cada uma dessas etapas. Por isso, é crucial saber lidar e se relacionar com a equipe, integrando as fases da obra, discutindo e resolvendo problemas em conjunto e melhorando aspectos que podem ser impulsionados, investindo sempre em uma boa comunicação. 


2. Aprendizado constante


é importante reforçar que o BIM não é estático; ou seja, ele passa por mudanças, alterações e melhorias constantemente. Isso significa que o profissional atuante na área deve buscar sempre aprender mais e se manter atualizado, acompanhando as mudanças e implantando-as no seu trabalho. 


3. Liderança


Esta competência é fundamental, principalmente para os que desejam se tornar BIM managements. Para ocupar este cargo, além de saber utilizar o BIM e estar integrado á interdisciplinaridade que o envolve, o profissional precisa saber liderar. É ele que vai orientar cada etapa do projeto, garantindo a eficácia e eficiência do resultado final. 


4. Análise crítica


O profissional deve ser capaz de analisar o escopo dos projetos, identificando possíveis problemas e alterações nas diferentes partes que o compõe. 


Tendências para o futuro do BIM


O uso do BIM já é uma realidade em diversos segmentos e empresas. A expectativa é que a utilização deste recurso não seja mais um diferencial, mas sim crucial em qualquer obra ou projeto. Com o crescimento dessa ferramenta, todo o ciclo de vida e a cadeia de diversos setores e obras deve ser adaptada para integrar o BIM. Isso vai exigir a formulação de novas regras, ferramentas e processos, que devem ser de acordo com o objetivo de cada projeto. 


A tendência é que haja também  uma maior fomentação do uso desta ferramenta, não só por parte da iniciativa privada, mas também pelo governo, revolucionando a construção civil. 


No Brasil 


BIM já é amplamente utilizado no mundo, e a tendência é que seu uso seja incentivado cada vez mais no Brasil.  De acordo com um levantamento da Dodge Data & Analytics, principal fornecedora de soluções de integração de fluxo de trabalho baseadas em software e análise para o setor de construção da América do Norte, a utilização do BIM nos Estados Unidos saltou de 40% em 2009 para 71% em 2012.


No Brasil, além, de aparatos de incentivo legal, como Decreto 9983 citado anteriormente, o BIM vem sendo inserido em graduações e especializações.  Há uma grande preocupação em formar profissionais que já tenham familiaridade com esta forma de trabalhar, capazes de desenvolver projetos utilizando a ferramenta,.


Normas e cadernos técnicos para padronizar e regularizar os conceitos também têm sido publicados com o objetivo de incentivar e regularizar o BIM nos diferentes segmentos. Coletânea e Cartilha do BIM, da Câmara Brasileira da Indústria da Construção e a Coletânea Eletrônica de Normas Técnicas – Modelagem de Informação da Construção (BIM) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) são exemplos de documentos com esse propósito. A expectativa é que com o avanço do BIM em território nacional, essa padronização aconteça exponencialmente. 


Pós-graduação e especialização


Com o futuro promissor que o BIM apresenta, cursos profissionalizantes e pós-graduações são essenciais para os que desejam estar alinhados com o que o mercado deseja. O mercado possui diversas possibilidades e trajetórias possíveis, e, mais  do que aprender a operar a ferramenta, o desenvolvimento das competências e conhecimentos específicos são primordiais. 


Cursos alinhados com o papel que as transformações que o mundo 4.0 exercem nas profissões são ideais. Você pode conferir o nosso curso de pós-graduação Desenvolvimento e coordenação de projetos em BIM, que segue a metodologia de Educação 4.0. Trata-se de um método que utiliza recursos tecnológicos para potencializar os estudos, por meio da internet, mídias sociais, inteligência artificial, realidade virtual, entre outros. Os benefícios das ferramentas digitais são combinadas ainda com a metodologia ativa, em que, mais do que simplesmente absorver o conteúdo, o aluno aprende por meio da prática, desenvolvendo projetos e experiências.  


Por fim, é preciso lembrar: o BIM já não é uma novidade, e sim pré-requisito. O profissional do futuro não fica para trás e está preparado para acompanhar essas mudanças e crescer com elas!


Compartilhar



 
Profissão do futuro? Entenda como a Engenharia de Segurança do Trabalho se tornou crucial no século XXI
Mercado exige profissional de segurança do trabalho qualificado e preparado para as mudanças do setor